quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Christie

Christie

A banda Christie tem esse nome devido ao fato de o cantor, baixista e compositor Jeff Christie ser seu fundador e líder. Em 69, depois de compor uma penca de hits para diversos artistas bretãos, Jeff convoca Vic Elmes (guitarra) e Mike Blakely (bateria) para formar uma banda de power pop com forte influência do country. Assim, é lançado este primeiro trabalho puxado por 'Yellow River', um hit mundial instantâneo, e que vendendo acima de todas as expectativas os catapulta ao estrelato. O álbum, recheado de soft rocks e uma ou outra faixa de maiores teores, emplacou ainda 'San Bernardino'. Após o lançamento, Blakely é substituído por Paul Fenton. Em 71 lançam 'For All Mankind', outro excelente trabalho -em muitos aspectos superior a seu predescessor, além de ligeiramente mais pesado- mas sem conseguir sustentar o enorme sucesso conseguido por aquele apesar do relativo retorno obtido com a faixa 'Jo Jo's Band'. Houve mais uma tentativa com 'Iron Horse'(72) e alguns singles em 74, mas a banda já respirava por aparelhos e o fim era inevitável.
Devido ao sucesso que 'Yellow River' faz até hoje, Jeff Christie vive, de seus royalties e de jingles publicitários. Periódicamente, acontece uma convenção de fãs onde a banda se reune para uma apresentação.
autor do texto: Edson d'Aquino (Gravetos & Berlotas).

Christie - 1970 - Christie

01. Yellow River
02. Gotta Be Free
03. I've Got A Feeling
04. New York City
05. Inside Looking Out
06. Put Your Money Down
07. Down The Mississippi Line
08. San Bernadino
09. Country Boy
10. Johnny One Time
11. Coming Home Tonight
12. Here I Am
13. Until The Dawn

Christie - 1971 - For All Mankind

01. Magic Highway
02. Man Of Many Faces
03. Picture Painter
04. Martian King
05. For All Mankind
06. Peace Lovin' Man
07. My Baby's Gone
08. Country B. Sam
09. I Believe In You
10. If Only
11. The Dealer
12. Pleasure & Pain
13. Everything's Gonna Be Allright
14. Iron Horse
15. Every Now And Then
16. Alabama
17. I'm Alive
18. Fools Gold

Christie - Feat. San Bernardino & Yellow River

01. Yellow river
02. Gotta be free
03. I've got a feeling
04. New York City
05. Inside looking out
06. Put your money down
07. Down the Mississippi line
08. San Bernadino
09. Country boy
10. Johnny one time
11. Coming home tonight
12. Here I am
13. Until the dawn
14. Everything's gonna be alright
15. Freewheelin' man
16. Inside looking out (Single B-Side Version)
17. Iron horse
18. Every now and then
19. Fools gold
20. California sunshine
21. Born to lose

Christie - Yellow River - A Golden Classics Edition

01. Yellow River
02. Gotta Be Free
03. I've Got A Feeling
04. New York City
05. Inside Looking Out
06. Put Your Money Down
07. Down The Mississippi Line
08. San Bernadino
09. Country Boy
10. Johnny One Time
11. Coming Home Tonight
12. Here I Am
13. Country Sam
14. Man Of Many Faces

Informações e Links por email - Aqui

Information and links via email -
Here

sábado, 6 de setembro de 2008

Gary Lewis & The Playboys

Gary Lewis & The Playboys

Gary Harold Lee Lewis nasceu em 31 de Julho de 1945. Sua mãe Patti achava Cary Grant um grande ator e queria dar ao seu filho mais velho o nome de Cary, mas o hospital cometeu um erro quando eles gravaram seu nome como sendo Gary ao invés de Cary. Membros da família de Gary, entretanto, ainda fazem piada sobre qual deveria ter sido seu nome original. Como presente pelo seu 14º aniversário em 1960, Gary ganhou uma bateria. Quatro anos mais tarde ele formou um grupo na área de Los Angeles com os guitarristas David Walker e Al Ramsey, na guitarra solo David Costell, nos teclados John West e o próprio Gary na bateria e vocais. Eles se auto intitularam Gary Lewis & The Playboys. Um produtor de discos chamado Snuff Garrett morava 2 casas para baixo da do pai famoso de Gary, o ator e comediante Jerry Lewis. Jerry e Snuff tinham um amigo comum, o regente Lou Brown que tinha trabalhado com Jerry desde os tempos da parceria Dean Martin & Jerry Lewis. Foi Brown quem chamou a atenção de Snuffs para Gary Lewis. Tempos depois Garrett ainda se lembrava: Lou chegou um dia no escritório e disse, “o filho de Jerry, Gary está tocando em uma banda... eles estão tocando na Disneylândia”. Mais ou menos uma semana depois, ele disse, “Eles vão ensaiar no Paramount hoje à noite. Por que eu não passo por aqui e te pego? Podemos ir comer alguma coisa e depois ir vê-los.”Assim foi feito e Gary era o baterista. Ele não cantava ou fazia qualquer outra coisa. No dia seguinte eu fiquei pensando se poderia fazer dele o cantor – eu nunca o havia ouvido cantar – eu pensei, hey, se eu conseguir gravar um disco com ele, essa seria uma nova maneira de promover discos – o filho de um grande astro! Snuff conversou sobre isso com o grupo e conseguiu aprovação, então os levou para um estúdio de gravação com uma canção chamada “This Diamond Ring” para ver o que ele faria. A sessão foi financiada pela mãe de Gary, Patty Lewis. Nesse caso, os Playboys eram quase irrelevantes, pois não era permitido que eles tocassem seus instrumentos e suas vozes eram usadas parcamente. Snuff queria uma música de sucesso, por isso insistiu que fossem usados músicos de estúdio confiáveis.
“Eu conhecia um pianista chamado Leon Russell para fazer o arranjo. Minha sessão de cordas não era tão necessária, assim eu usei somente 5 peças. Eu não usei os Playboys de maneira alguma a não ser como som harmônico”. Os músicos do estúdio incluiam Tommy Alsup na guitarra, Leon Russell nos teclados e Hal Blaine na bateria. Para ajudar a preencher as eventuais deficiências vocais de Gary, Snuff também trouxe um cantor para a sessão. Seu nome era Ron Hicklin. Ron fez a faixa vocal básica; então Snuff adicionou a voz de Gary, e depois Gary fez um overdub sobre sua própria voz, adicionou alguns dos Playboys e então adicionou mais Hicklin. “Quando eu acabei ele soava como Mario Lanza (Um tenor americano muito famoso especialmente nas telas)” Snuff comentou.
A seguir veio o espalhafato. Snuff colocou o disco no rádio em New York City ao fazer um acordo com o disc jockey da WINS Murray The K. que apresentava uma série de concertos com artistas famosos em teatros ao redor da área de New York. Foi prometido a êle que se tocasse o disco de Lewis, os Playboys participariam de seus shows. Então Snuff tinha seu vizinho, Jerry Lewis, para mexer uns pauzinhos para conseguir colocar seu filho no show de Ed Sullivan. Em poucas semanas, Gary e seu grupo estavam no maior programa de variedades da América. Entretanto, havia um problema. Era política de Sullivan que todos os artistas que aparecessem em seu show tinham que se apresentar ao vivo. Como uma série de truques de estúdio haviam sido usados na gravação, não havia como os Playboys recriarem o som que foi gravado.
Assim uma alternativa foi posta em prática. Gary cantaria sobre faixas pré-gravadas e os Playboys fingiriam que estavam tocando seus instrumentos. De acordo com Garrett, essa foi a primeira vez que uma canção tinha sido cantada só com os lábios se mexendo no show. A América não se importou. Gary Lewis & The Playboys se tornaram estrelas instantaneamente. Sua canção “This Diamond Ring” chegou ao nº 1 da parada e as fábricas que prensavam os discos trabalhavam 24 horas por dia, mas não conseguiam suprir a demanda do disco.
Em 1965 Gary foi eleito pela revista “Cash Box”, vocalista masculino do ano, ganhando a láurea batendo outros indicados como Elvis Presley e Frank Sinatra. Foi o primeiro e único artista durante os anos sessenta a ter seus sete primeiros lançamentos entre as 10 mais da Billboard. Nas Filipinas nessa época eles eram considerados “A Resposta da América aos Beatles” e em um período de duas semanas lotaram os 18.000 lugares do Arianeta Coliseum para uma série de 24 concertos. Juntamente com suas aparições nos mais prestigiados programas de TV da época que incluiam o “American Bandstand”, o “Joey Bishop Show” e o “Tonight Show”, Gary acumulava a impressionante marca de 5 aparições em 2 anos no “Ed Sullivan Show”.
Em 1965 e 1966, Gary Lewis & The Playboys lançaram 7 canções que chegaram entre as dez primeiras da parada: This Diamond Ring; Count Me In; Save Your Heart For Me; She’s Just My Style; Everybody Loves A Clown; Sure Gonna Miss Her e Green Grass.
Após sua última apresentação no show de Ed Sullivan, Gary foi convocado e menos de um mês depois no dia de ano novo de 1967, ele entrou oficialmente para o exército dos Estados Unidos por um período de 2 anos onde serviu em combate. Provando sua dedicação e amor à música, Gary gastou suas folgas em estúdio gravando mais 2 singles. Durante o restante do tempo em que permaneceu fora do país sua gravadora lançou “Sealed With A Kiss” uma faixa para a sessão de “Everybody Loves A Clown” e essa música se tornou outro hit entre as 20 mais. Gary Lewis conseguiu se sair melhor do que muitos outros herdeiros que se atiraram na mania do rock and roll. Era um cantor talentoso, compositor e músico. Suas canções festivas venderam bem na metade dos anos 60 no auge da Beatlemania, mas o estilo psicodélico que prevaleceu nos anos seguintes fizeram com que seu estilo de música deixasse de estar em voga. Gary ainda faz shows com o grupo Gary Lewis & The Playboys.
“Everybody Loves A Clown” é o terceiro álbum de Gary e mescla alguns covers de canções famosas com outras originais como é o caso da canção que dá o nome ao disco, um grande hit, do qual Gary co-escreveu. Não é o seu melhor disco mas sem dúvida mantém o estilo que o consagrou e para seus fãs isso não faz a menor diferença. Um disco à la Gary Lewis e isso por si só já o recomenda.

Fonte: Classic Bands

Gary Lewis & The Playboys
- 1965 -
Everybody Loves A Clown

01. Everybody Loves A Clown
02. Mr. Blue
03. Chip Chip
04. I Gotta Find Cupid
05. Let Me Tell Your Fortune
06. ('Til) I Kissed You
07. Tossin' And Turnin'
08. My Special Angel
09. We'll Work It Out
10. Sha La La
11. Time Stands Still
12. Dreamin'

Gary Lewis & The Playboys
- 1966 -
Hits Again!

01. Look Through Any Window
02. It's Too Late
03. Face In A Crowd
04. A Well Respected Man
05. Rubber Ball
06. Green Grass
07. Autumn
08. One Track Mind
09. You Baby
10. I Can Read Between The Lines
11. Daydream
12. Sure Gonna Miss Her

Informações e Links por email - Aqui

Information and links via email -
Here

Johnny Cash & Waylon Jennings

Johnny Cash & Waylon Jennings

Johnny Cash e Waylon Jennings gravaram Heroes, esse belo álbum country no ano de 1986. Quase todas as canções têm arranjos de cordas, e algumas de sopros, trabalhadas pelo baixista Mike Leech. O som dramático é imposto pela maneira de cantar de Cash e tambem pela forte presença das cordas. Waylon Jennings acaba por ser um ponto de equilíbrio através do seu tom mais grave e esperançoso.

Johnny Cash & Waylon Jennings - 1986 - Heroes

01. Folks Out On The Road
02. I'm never Gonna Roam Again
03. American by Birth
04. Field Of Diamonds
05. Heroes
06. Even Cowgirls Get The Blues
07. Love Is The Way
08. The Ballad Of Forty Dollars
09. I'll Always Love You (In My Own Crazy Way)
10. One Too Many Mornings

Informações e Links por email - Aqui

Information and links via email -
Here